18°C 26°C
Campina Grande, PB
Publicidade

Brasília é atacada por atos extremistas cometidos por bolsonaristas

Em protesto contra a prisão de ativista acusado de promover atos antidemocráticos, manifestantes ateiam fogo em ônibus, carros e tentam invadir o prédio da PF

13/12/2022 às 07h12 Atualizada em 14/12/2022 às 08h29
Por: Heleno Lima Fonte: Correio Brasiliense
Compartilhe:
Brasília é atacada por atos extremistas cometidos por bolsonaristas

Em questão de horas, a capital do País passou por duas situações extremas nesta segunda-feira (12).

Continua após a publicidade
Anúncio

No início da tarde, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva foi oficialmente reconhecido pela Justiça Eleitoral como o vencedor das eleições gerais definidas em 30 de outubro.

Durante a solenidade, tanto o presidente Lula quanto o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Alexandre de Moraes, exaltaram a força da democracia brasileira.

No início da noite, porem, a civilidade deu lugar à baderna.

Por volta das 20h30, o centro da capital se tornou alvo de atos terroristas.

Em protesto contra a prisão de um ativista acusado de promover atos antidemocráticos, extremistas tentaram invadir a sede da Polícia Federal na área central de Brasília.

Fizeram mais: atearam fogo em ônibus e carros que estavam na região.

Em um dos locais, um carro foi incendiado ao lado de um posto de gasolina, em altíssimo risco de uma explosão.

Até o fechamento desta edição, não havia informações precisas sobre o número de presos, ou os danos causados pelos vândalos.

Segundo informações das autoridades de segurança, a arruaça começou após a prisão do cacique José Acácio Serere Xavante.

Ele se tornou conhecido por liderar indígenas bolsonaristas em atos em espaços públicos como o Park Shopping.

Serere foi preso nesta segunda-feira, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

A prisão foi pedida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que entendeu que a detenção do indígena é uma forma de garantir a ordem pública.

Segundo o entendimento da PGR, o cacique se utiliza da posição de líder indígena do Povo Xavante para levar os seguidores a ameaçar o presidente eleito Lula, além dos ministros do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

"A manifestação, em tese, criminosa e antidemocrática, revestiu-se do claro intuito de instigar a população a tentar, com emprego de violência ou grave ameaça, abolir o Estado Democrático de Direito, impedindo a posse do presidente e do vice-presidente da República eleitos", alegou a PGR no documento de petição.

No despacho que determinou a prisão de Serere Xavante, o ministro Alexandre de Moraes foi categórico.

"A restrição da liberdade do investigado, com a decretação da prisão temporária, é a única medida capaz de garantir a higidez da investigação", escreve.

Ao cumprir o mandado de prisão expedido pelo presidente do TSE, a Polícia Federal provocou a fúria de manifestantes.

Muitos deles vestidos com o uniforme da Seleção e cobertos com a bandeira Nacional, os extremistas tentaram invadir a sede da PF, no início da Asa Norte.

Também destruíram carros e ônibus localizados na região central de Brasília.

Para conter os atos violentos, soldados do batalhão de choque da Polícia Militar do Distrito Federal usaram bombas de lacrimogêneo.

Em determinado momento, as forças de segurança foram acionadas para impedir o avanço dos extremistas em direção ao hotel onde estão hospedados o presidente e o vice-presidente eleitos, nas proximidades dos confrontos.

A segurança ao redor do hotel onde estão Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) foi reforçada para evitar ataques de manifestantes bolsonaristas.

A equipe do petista cogitou retirar Lula e Alckmin do local de helicóptero, mas desistiu.

Em determinado momento, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) deu um relato da situação.

"Atualizando as informações: o perímetro onde está o Presidente Lula e o vice-presidente Alckmin já foi isolado e está sob proteção da PM e da PF. Neste momento não há risco à integridade física do Presidente, do Vice e da delegação. Reforço: ninguém sairá impune!", escrevee em uma rede social

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.