Quarta, 18 de Maio de 2022 04:16
83 99120 2248
Brasil SEM DINHEIRO!

Sem contrapartida da União no pagamento do piso da enfermagem, municípios terão dificuldades em arcar com mais essa despesa

O impacto anual nos municípios paraibanos será de R$ 480.707.8 milhões, segundo levantamento da CNM

10/05/2022 14h35
Por: Heleno Lima
Sem contrapartida da União no pagamento do piso da enfermagem, municípios terão dificuldades em arcar com mais essa despesa

O avanço no Congresso Nacional de propostas que institui a criação do piso Nacional dos enfermeiros, auxiliares, parteiras e técnicos de enfermagem sem a definição da fonte de custeio pode trazer impacto de R$ 9,4 bilhões anuais aos cofres municipais e inviabilizar de vez a prestação de serviços à população.

 

O movimento municipalista -- encabeçado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) -- tem concentrado esforços junto aos parlamentares para evitar que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 11/2022 seja aprovada sem a garantia da contrapartida do Governo Federal para que os municípios possam cumprir com mais uma obrigação.


A CNM informa que produziu um levantamento com a estimativa de impacto anual nos municípios do Estado da Paraíba em um total de R$ 480.707.8 milhões.

 

A PEC 11/2022 tramita no Senado e o movimento municipalista, por meio do presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, e de outras lideranças estaduais têm intensificado a atuação para apresentação e aprovação de emenda que garanta que a União transfira aos municípios o valor nominal do piso, a exemplo do que já acontece com os pisos dos agentes comunitários de saúde e de combate as endemias.


Na Câmara dos Deputados, foi aprovado o Projeto de Lei (PL) 2.564/2020 no dia 4 de maio.

 

A proposição institui o piso salarial nacional de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e de parteiras.

 

Porrm, o texto possui inconsistências e, com o objetivo de sanar a inconstitucionalidade da proposição aprovada na Câmara, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) apresentou a PEC 11/2022, mas ainda não especificou de onde sairão os recursos.


Emenda sugerida pela CNM e apresentada na Câmara pelo deputado Fausto Pinato (PP-SP) estabelecia a responsabilidade da União em auxiliar os municípios no pagamento dos pisos dos profissionais da enfermagem. Entretanto, houve pressão do governo federal e a emenda foi retirada.


“É surpreendente a união entre esquerda e direita para proteger o governo federal e prejudicar os Municípios. Nós somos a favor do piso. É uma categoria importante para o país, mas queremos saber de onde vai sair o dinheiro para pagar”, destaca o presidente da CNM.


Diante da diferença de tratamento dado aos municípios em detrimento da União na avaliação do impacto financeiro, a CNM reitera que vai lutar até o fim pelo atendimento ao pleito, enfatizado como justo pelo movimento municipalista.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.