Quarta, 18 de Maio de 2022 03:28
83 99120 2248
Saúde ENFADO PREJUDICIAL!

Mães sobrecarregadas: acúmulo de funções pode causar o esgotamento mental

Professora de medicina da faculdade Pitágoras explica como identificar os sintomas da estafa

11/05/2022 11h08
Por: Heleno Lima
Mães sobrecarregadas: acúmulo de funções pode causar o esgotamento mental

Ter que dar conta de tudo é uma sensação que a maioria das mulheres passa, principalmente depois que se tornam mães.

 

A responsabilidade e os afazeres aumentam com a chegada de um novo integrante na família, mas as tarefas do dia a dia, somadas à vida social e aos cuidados com os filhos podem acarretar a estafa emocional, o chamado burnout materno.


A psiquiatra e professora do curso de medicina da Faculdade Pitágoras, Maria Gabriela Aragão, explica que a síndrome é um distúrbio causado pela exaustão extrema, sempre relacionada ao trabalho que é exercido.

 

Podemos caracterizar este distúrbio como um cansaço e o estresse crônico de mães sobrecarregadas com as funções maternas, aliadas com a vida social e atividades rotineiras da casa”, diz.


Segundo a professora, os sintomas podem ser percebidos, tanto logo após o nascimento da criança, quanto nos primeiros anos de idade.

 

“Mesmo após os primeiros meses de vida, a criança ainda requer uma atenção especial. Até os quatro anos de idade as mães ainda sentem um desgaste emocional grande em virtude das atividades maternas que precisa desempenhar”, relata a docente.


Muitas mães não sabem que estão passando pelo distúrbio, por acreditarem que esta seja uma situação comum.

 

Lembra ainda que a diferença entre o cansaço habitual e o esgotamento está na intensidade e na quantidade de vezes que isso ocorre. “É importante perceber a frequência deste cansaço. É normal alguém ficar cansado, mas não o tempo todo. A ajuda profissional é imprescindível para tratar os sintomas”, completa.


Como identificar?

 

Os sintomas da síndrome de burnout materno podem ser físicos ou psicológicos, sendo que a mãe pode apresentar:

 

-- Sentimento constante de culpabilidade;

-- Cansaço mental e físico excessivos, mesmo após o descanso;

-- Falta de interesse ou prazer em cuidar do filho;

-- Insônia;

-- Dificuldade de concentração;

-- Perda de apetite;

-- Irritabilidade e agressividade;

-- Lapsos de memória;

-- Baixa autoestima e insegurança;

-- Desânimo e apatia;

-- Dores de cabeça e no corpo;

-- Negatividade constante;

-- Tristeza excessiva.

 

Cada caso é um caso e eles não podem ser tratados de formas generalizadas, mas o burnout requer que a pessoa faça terapia e acompanhamentos com um ou uma profissional da área da saúde de forma constante.

 

“Em algumas situações há necessidade de uso de medicamentos, mas somente o profissional irá avaliar durante a consulta. O nosso corpo dá constantes sinais e precisamos respeitá-lo caso haja indicativo de alguma coisa errada, física ou psicologicamente”, conclui.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.